Após a longa história do consumo de Snus na Suécia não há necessidade de se fazer um amplo debate sobre as questões de sua efetividade ou se devemos matizar os seus benefícios e malefícios como um produto de redução de danos do tabagismo.

Os dados provenientes de países como a Suécia e a Noruega comprovam que o Snus é um excepcional aliado para se alcançar benefícios no âmbito da saúde pública.

Snus é um termo sueco para uma mistura de tabaco em pó, moído com água, sal e frequentemente essências de sabor. Produzido por humidificação à vapor, sem fermentação, o Snus pode ser encontrado na forma de um pó solto que deve ser prensado entre os dedos antes do consumo (lössnus) ou em pequenos sachês pré-embalados, em diferentes porções (grande, média, pequena, super pequena e mini). Ainda que possa ser traduzido como Rapé, diferentemente do que conhecemos como Rapé, que é aspirado, o Snus é consumido por via oral, acomodado entre o lábio superior e a gengiva e mantindo no local por uns trinta minutos fornecendo um fluxo constante de nicotina. Também não se deve confundir com o fumo de mascar.

A história do Snus é longa e bem sedimentada. No século XVIII era hábito da nobreza utilizar o Snus (rapé), que era um tabaco em pó seco e inalado pelo nariz. No século seguinte, após ser transformado em uma mistura úmida, moldada em porções e colocada na boca, essa mudança colocou o Snus em um contexto social completamente diferente: se tornou popular e apreciado por pessoas da classe trabalhadora.

Foi também no século XIX que a produção de Snus se tornou um negócio lucrativo para muitos fabricantes de tabaco. O custo baixo de produção e o aumento constante da demanda fez com que surgissem muitas marcas de Snus, algumas das quais sobreviveram até hoje.

Ao longo do século XX a popularidade foi consolidada. A popularidade do Snus solto foi sucedido pelo Snus de porção. Em seguida, foi adicionada a possibilidade de diferentes sabores. A virada do milênio trouxe o lançamento de um Snus branco, uma porção mais seca com menos gotejamento do que snus de porção padrão. Atualmente, mais de um milhão de suecos usam Snus regularmente, é o substituto do cigarro mais consumido na Noruega e seu uso avança no mundo todo, principalmente nos EUA.

A Suécia está tão à frente de qualquer outro país desenvolvido na redução da mortalidade por tabagismo que tem até uma perspectiva realista de reduzir as mortes por tabagismo em proporções insignificantes – algo completamente fora de questão para qualquer outro país, principalmente os em desenvolvimento. Segundo o Tobacco Atlas, na Suécia, o número de adultos fumantes não ultrapassava 9% em 2015 e os consumidores de Snus já superavam a marca de 16% em 2013. A prevalência do tabagismo masculino seguia caindo em torno de 1% ao ano e alguns números sugerem ter chegado a menos 5% em 2017. A Suécia atualmente tem, de longe, a menor mortalidade relacionada ao tabaco (taxa de mortalidade por tabagismo) entre todos os países desenvolvidos.

O snus sueco é um produto muito diferente. Apesar da alta taxa de uso de snus entre homens suecos, a prevalência de câncer bucal na Suécia está entre as mais baixas da União Européia (1). (…) Existem fortes evidências epidemiológicas de que o uso de snus não está associado a um aumento demonstrável do risco de câncer bucal (2,3). Por conseguinte, é particularmente importante distinguir os snus suecos de outras formas de produtos de tabaco para uso oral que têm um potencial tóxico diferente e aumentam substancialmente o risco de doença.

K. Farsalinos, 2019 – https://www.nature.com/articles/sj.bdj.2019.55#ref5

Infelizmente, quase um desconhecido no Brasil, o Snus também é ignorado como um auxiliar no controle do tabagismo pelos órgãos públicos brasileiros. Não é difícil perceber o benefício geral para a saúde pública do Snus como um redutor de danos do tabagismo – assim como o vaping. Lamentavelmente, sabemos que as pressões financeiras ainda anulam as políticas de saúde mais responsáveis. No entanto, também sabemos que as pessoas já começaram a exigir que a saúde pública tenha precedência sobre as questões econômicas e financeiras. E cada dia somos um coletivo maior, e mais forte, pensando dessa forma. Juntamente com informações verdadeiras sobre os riscos relativos em comparação ao tabagismo, o acesso ao Snus é responsável pela redução drástica dos problemas relacionados ao tabagismo, pela redução paralela de doenças e pela morte prematura relacionada ao tabaco naqueles países nórdicos. E, afinal, por que não poderia ser uma realidade também aqui, no Brasil?

Snus slim All White, da GN TOBACCO

https://tobaccoatlas.org

(1) La Vecchia C, Lucchini F, Negri E, Levi F. Trends in oral cancer mortality in Europe. Oral Oncol 2004 40: 433–439.
(2) Luo J, Ye W, Zendehdel K, Adami J, Adami HO, Boffetta P, Nyrén O. Oral use of Swedish moist snuff (snus) and risk for cancer of the mouth, lung, and pancreas in male construction workers: a retrospective cohort study. Lancet 2007 369: 2015–2020.
(3) Lee P N. Summary of the epidemiological evidence relating snus to health. Regul Toxicol Pharmacol 2011 59: 197–214.